BÁRBARA GÓIS

Sou a Bárbara, tenho 27 anos e sou oriunda da ilha da Madeira, de Portugal. Apesar de eu estar do outro lado do Atlântico, eu sigo o Crónicas de Surdez há alguns anos e continuo a seguir outros projectos da Paula também.

Aos 4 meses de idade eu tive meningite bacteriana o que causou rapidamente a minha surdez. Fui diagnosticada na mesma altura com surdez profunda neurosensorial bilateral. Os meus pais tentaram arranjar uma solução para o meu problema. A minha mãe batalhou muito para que eu tivesse a melhor vida possível. Usei próteses auditivas durante 2 anos mas nunca tive ganhos auditivos pelo que mais tarde submeteram o implante coclear no meu ouvido esquerdo aos 2 anos e meio.

Aprendi a ouvir e falar por volta dos 3 anos com o apoio do audiologista, da terapeuta da fala e dos familiares. Na altura era desconhecida a importância da audição bilateral e também não era comparticipado pelo sistema nacional de saúde o segundo implante coclear.

Fiz a minha vida normalmente apenas ouvindo de um ouvido. Fiz todo o percurso escolar sem problemas. Tive boas notas até a data. Na época da faculdade eu tirei mestrado integrado em Engenharia Biomédica. Em 2017, 1 mês após a defesa da tese de mestrado tive a oportunidade de realizar a segunda cirurgia para finalmente ter o implante coclear no ouvido direito. Após 22 anos a ouvir apenas do ouvido esquerdo, voltei a ouvir sons com o ouvido direito o que melhorou gradual e lentamente a minha audição e por conseguinte a minha qualidade de vida. Ganhei coragem e conforto para usar muito mais vezes o telemóvel, tenho acesso melhor à informação (rádio, televisão, vídeos), aprecio muito mais a música, falo melhor,…

Fazer o segundo implante coclear só trouxe inúmeras vantagens à minha vida. Comecei a minha experiência profissional no início de 2018 em consultoras de tecnologias de informação. Foi um grande desafio a nível de comunicação e ainda estava a aprender a ouvir do implante novo. Este ano, 2019, realizei mais um dos meus sonhos, viver para fora do meu país. Parti para uma aventura entusiasmante em Inglaterra com duração de 7 meses. Trabalhei como au pair na zona de Londres e irei terminar este mês. Estou orgulhosa por ter conseguido melhorar o meu inglês e também conseguir compreender outra língua que não fosse a nativa. Estou orgulhosa de mim mesma por ter conseguido ultrapassar tantos desafios e isto para dizer que a surdez não limitou em nada para realizar os meus sonhos.

Eu apoio totalmente esta campanha #SurdosQueOuvem porque a sociedade precisa de ganhar muito mais consciência e informação sobre a nossa realidade, ouvimos mas não tão bem como os ouvintes e para além disso temos despesas enormes por causa das tecnologias auditivas e dos acessórios subjacentes.